LATAM Não aceitará MÁSCARAS DE VÁLVULA, LENÇOS e BANDANAS em seus voos a partir de Março

Atualizado: Mar 19

A partir de 1º de março, a companhia proibirá o uso de máscaras valvulares (qualquer modelo) ou uso de protetores bucais, lenços e bandanas em substituição às máscaras.



A Latam anunciou nesta quinta-feira (18) novos parâmetros para o uso de máscara em seus voos. A partir de 1º de março, a companhia proibirá o uso de máscaras valvulares (qualquer modelo) ou uso de protetores bucais, lenços e bandanas em substituição às máscaras.


O grupo informa que as novas medidas estão alinhadas com as recomendações das autoridades internacionais e que a proibição dos itens se deve à comprovada baixa eficiência desses itens na filtragem de vírus e bactérias.


Neste momento, os passageiros que utilizam os modelos não permitidos ainda podem embarcar, mas são informados nos aeroportos sobre a alteração da política. A partir de 1º de março, caso não cumpram essas medidas, não poderão embarcar’, destaca o comunicado da companhia





"Os passageiros que comparecerem ao embarque com máscara fora do padrão não poderão embarcar se não a possuírem ou substituírem por uma das alternativas permitidas" - informa a Latam

Um estudo do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos apontou que assegurar que a máscara está posicionada de maneira firme na face e o uso de duas máscaras são meios de reduzir significativamente a exposição ao novo coronavírus.


Que tipo de máscara é recomendado?

Segundo o especialista, a viagem começa pela circulação no aeroporto, onde há uma preocupação maior por parte dos médicos quanto ao aumento da probabilidade de infecções. Isso se deve à grande possibilidade de aglomerações em ambientes fechados.

Por isso, o uso do item é recomendado como forma de evitar a transmissão por aerossóis, aquela que acontece com mais frequência em locais sem ventilação adequada.

“Nesse sentido, as melhores máscaras são as cirúrgicas, FFP2 (KN95) e FFP3 (N95), todas sem válvulas”, explica o médico.

Esses modelos têm uma capacidade de filtragem de 95% a 97% do ar que respiramos, e proporcionam uma alta segurança contra essa nuvem de aerossóis que se mantém pairando em ambientes fechados.


A maior preocupação, nesse momento, é o contágio a partir de gotículas — que se propagam especialmente quando não há o distanciamento recomendado. “O que pode ser feito é utilizar ou máscaras N95 ou uma combinação de um modelo cirúrgico com uma versão de pano, com o intuito de vedar todas as irregularidades que possam existir entre o rosto e o item de segurança”, orienta o infectologista.


Quando devo trocar a máscara?

Em voos mais distantes, deve-se usar a regra tradicional: a cada duas ou três horas você precisa trocar a máscara, uma vez que ela ficará úmida.


Como proceder se um passageiro resolver ficar sem máscara perto de mim?

Caso isso aconteça, você deve imediatamente acionar a tripulação. Isso não é permitido, e causa riscos a você e a todos que estão em volta.